Buscar

DIREITO INTERNACIONAL NO CINEMA: UMA ANÁLISE DO LONGA METRAGEM ARGO

Atualizado: 7 de set. de 2019

Vinícius Villani Abrantes (Brasil)



                Em meio a gritos de ordem e cartazes, o povo iraniano e militantes islâmicos se colocam frente à Embaixada estadunidense em Teerã. O filme Argo é uma adaptação do livro The master of Disguise. Adaptação que nos conta os detalhes da operação de resgate da CIA - Agência Central de Inteligência -na Crise de Reféns americanos no Irã.


             Argo transporta o telespectador para 1979, ano ápice do movimento islâmico - também conhecido como Revolução Islâmica, no Irã. E, também, ano em que os Estados Unidos resolveram asilar Xá Mohammed Reza Pahlavi - antigo chefe de estado deposto.


         Por não terem a exigência de extradição do ex-governante aceita, os revolucionários tomaram a Embaixada norte americana em Teerã. Da invasão foram feitos cinquenta e dois reféns norte americanos. A outro passo, seis integrantes restantes da Embaixada escaparam da ação dos militantes e conseguiram refúgio na Embaixada Britânica e depois na casa do embaixador canadense e do oficial de imigração canadense.


          Aqui vale a ressalva que, embora o ato de conceder asilo seja soberano, a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) reserva o direito a perseguições políticas e religiosas, e não a escape de crimes comuns e tratamento de doenças, como o concedido a Reza Pahlavi. Para além disso, partindo da premissa de não extradição, o Estado iraniano fere, veemente, o Direito Internacional ao permitir a tomada da Embaixada estadunidense, levando e tendo como reféns trabalhadores inocentes.


               Tony Mendez - agente da CIA- arquitetou o plano para tirar os seis americanos refugiados da casa do embaixador do Canadá, já que seria uma odisseia utilizar meios militares e políticos convencionais. Excepcionalmente, o plano consistia na simulação de uma produção cinematográfica em apoio com Hollywood. Todavia, para que a operação obtivesse total êxito seria necessária a colaboração do governo do Canadá. Este disponibilizaria passaportes diplomáticos, com propósitos "humanitários".


            Em termos legais, nenhuma dúvida se tem de que a invasão à Embaixada viola não só a Convenção de Viena (1961), como também a Convenção de Viena (1963), no que tange à inviolabilidade diplomática dos agentes, da própria embaixada e de qualquer instalação consular.


           Nesse ângulo, os Estados Unidos ingressaram na Corte Internacional de Justiça - CIJ - contra ao Irã por tais violações ao Direito Internacional. No caso, a Corte expediu uma sentença para a libertação e saída segura dos reféns do país. Medidas que não foram acatadas pelo Irã.

              Não se pode esquecer, ainda, que com a retomada das negociações entre os dois Estados, após 444 dias, todos os reféns foram libertados e firmado o Acordo de Argel - que visava o fim do conflito. Vale mencionar que as negociações voltaram após a morte de Xá Mohammed Reza Pahlavi.


           Nesta ordem de ideias, mesmo o acordo possuindo cláusula de retirada de acusações na CIJ e sendo de extrema importância para o total apaziguamento do conflito, em 1981, o Irã já tinha sido condenado pela Corte Internacional de Justiça pelas violações a ordem Internacional.


1.123 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

les bases du droit moderne (le droit conservateur et le droit progressif) et les nouvelles possibilités (un droit de la libération ?) Felipe Costa Lima (França) [1] Un « droit international de la libé

Thaís Carvalho dos Santos Pires (Portugal). No estado do Alabama foi aprovado um diploma que proíbe o aborto em quase todas situações – abrangendo os casos de incesto e violação, o que torna essencial

Por André Luís Lima Filho (Brasil). Acredita-se que as primeiras infecções pelo vírus do HIV aconteceram aproximadamente em 1930, restritamente na África Subsaariana. Embora surgida no Continente Afri